Direitos HumanosOpiniãoTemas Magazine

Os Idosos sofrem em silêncio

Os Idosos sofrem em silêncio

Os idosos estão presentes na nossa vida desde pequenos, na figura dos avós essencialmente, tomam conta de nós, enquanto os nossos pais estão a trabalhar. Estas figuras tão importantes na nossa existência são os mesmos que, apesar do nosso pai não querer, nos continuam a dar doces e que, apesar de a nossa mãe se chatear, nos continuam a deixar dormir mais tarde em dias de escola. São também os mesmos que, dia após dia, sofrem, quer de solidão, quer da violência desmesurada por parte de quem os rodeia.

Um estudo da APAV garantiu que entre 2013 e 2016, o crime de maus tratos contra os idosos subiu cerca de 30%. Gravíssimo! Mas o que causa mais choque é perceber que nesse estudo se divulgou que cerca de 36% dos agressores são os netos das vítimas. Como é isto possível? Os avós são nossos pais duas vezes, muitos deles fizeram sacrifícios pela nossa felicidade. Nós, jovens, devemos respeito aos idosos.

As relações familiares ter-se-ão invertido, de tal forma, que passamos a desconhecer os limites da decência? Esquecemos, de todo, o que são os laços familiares e de amor?

A família, ao invés de os apoiar e amar, maltrata e agride os seus idosos. Por outro lado, é a solidão que os assola, tantos deles já sem os seus cônjuges. A violência, que pode ser física, verbal ou psicológica, não pode existir contra os seres indefesos independentemente da sua idade, e ainda menos quanto aqueles que participaram das nossas vidas e das nossas memórias. Uma simples chantagem, por vezes, chega para fazer alguém sofrer, assim como qualquer tipo de violência verbal. Há quem diga que dói mais ouvir um horrível insulto vindo da pessoa que amamos, do que uma agressão física. Acredito que, para todos aqueles que enfrentam estas situações, todo e qualquer tipo de violência é, de igual forma, uma angústia tremenda.

Quando chega ao fim a paciência dos filhos, o mais certo é colocarem os seus familiares num lar. É o modo mais rápido de descartar qualquer responsabilidade e de não terem trabalho, mesmo quando têm a possibilidade de acompanhar os últimos dias destes entes queridos. O que acontece mais tarde é que, já nos lares, os idosos são mais uma vez deixados de parte. Muitas das vezes lares sem condições ou pessoas especializadas, como se costuma dizer, mas qual é a especialização para se cuidar de um idoso? É preciso um curso ou formação para amar e respeitar alguém? Se é, deveria ser obrigatória a frequência desse curso desde criança, para que, um dia mais tarde, saibamos o nosso dever. As mentalidades têm de mudar para que se acabe com esta atrocidade. Amar o próximo vem do interior de cada um. O ser humano é dotado de maldade e bondade, mas cabe-nos a nós escolher o que queremos ser na sociedade. Se queremos ser bondosos e ter a capacidade de amar, ou se somos egocêntricos e, por isso, devemos ignorar os outros e tratá-los como algo desprezível.

São eles, os idosos, os mesmos que enquanto estão vivos, são um fardo para todos e quando morrem, os abutres correm com a sede de ganância pela possível herança deixada. Correm e atropelam-se, uns aos outros, porque essa sede fala mais alto que o amor e a dor da perda. “Velhos”, é como lhes chamam, mas velhas são as coisas, os nossos bens materiais, não as pessoas. A partir dos 65 anos, as pessoas são consideradas idosas, ou séniores, estes são os termos certos. Devemos valorizar aqueles, cuja experiência, é superior à nossa.

Não podemos virar as costas aos idosos, não nos podemos esquecer que somos os idosos do futuro. Somos nós que continuamos o legado. Será que os agressores um dia vão sentir na pele o sofrimento de uma agressão por parte dos seus filhos, ou dos seus netos? Quando e, se, esse dia chegar, a lembrança de terem sido agressores, no passado, vai transformar-se em lágrimas de arrependimento.

Ai como eu tenho saudades da minha bisavó…

Marta Pinheiro

Next article Havíamos de estar a celebrar
Previous article Somos abrigos

Related posts

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!

Leave a Comment

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *