Direitos dos AnimaisOpiniãoTemas Magazine

Quando o ódio se veste de lantejoulas

Quando o ódio se veste de lantejoulas

Hoje terás de lutar meu nobre amigo.

A noite aproxima-se e o teu oponente já sente o nervoso miudinho a crescer dentro de si. Prepara-se para a ribalta e para os aplausos que ecoam como espingardas por debaixo do mar de luz fervente que inundará aquele indouto povo.

Tem o seu melhor fato vestido. As lantejoulas já brilham para o seu serão engalanado.

A multidão sequiosa aplaude e espera-o no centro daquela bárbara arena.

Pisa a areia e sente cada grão de adrenalina estalar sob a sola imberbe dos seus sapatos.

Começa o espetáculo e em poucos segundos ouve a primeira ovação, depois a segunda e ainda uma terceira.

O seu fato continua imaculado mas tem nas mãos a cor da morte, da dor e do sangue que derrama.

O seu olhar brilha de ódio e de emoção. E o público rejubila com a sua matança. Sente na boca o sabor escarlate e quente da seiva que faz viver o ser assassino que carrega dentro de si.

E tu, ferido, olha-lo com doçura e condescendência. Lutas até ao fim, mas as armas são diferentes. Ele usa o ferro e o ódio contra o amor e a bondade de quem nunca quis lutar.

Ele não te desafia, ele impõe. Ele não luta, destrói. Ele não é vilão, é demónio.

Mas numa coisa ele tem razão meu corajoso amigo. Ele escolhe lutar contigo porque diz que és nobre e, de facto, a tua nobreza é ímpar… Tu tombas como ele jamais tombaria, lutas como eles jamais lutará… Porque tu não lutas nem por ódio nem por prazer.

Tu lutas por tudo aquilo que lhes falta e antes de tombares, os teus olhos inundados de humanidade e dignidade serão farpas que cravarás no coração ignóbil e estéril do teu desprezível assassino.

Raul Tomé

Next article Somos abrigos

Related posts

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!

Leave a Comment

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *